terça-feira, 18 de outubro de 2011

Globalização.... A educação escolar no contexto das transformações da sociedade contemporânea

            A globalização é uma ideologia fundamentada de maneira camuflada, no capitalismo, com o objetivo de garantir seu domínio econômico. Nesse contexto a educação tem seus objetivos modificados, suas práticas pedagógicas são alteradas em conseqüência do avanço tecnológico; o que influência a atitude e os métodos de trabalho do educador. O domínio técnico-informacional transformou o conhecimento técnico-científico, diminuindo assim a função que antes pertencia à Escola. Tanto que o ensino atual passa por um "processo de reestruturação" pois, busca preparar e qualificar cidadãos capazes de seguir o avanço tecnológico de produção, ou seja, o papel da escola hoje é formar o individuo para o competitivo mundo da globalização, onde apenas os fortes obtém sucesso profissional.
            O capitalismo busca hegemonia, domínio total da economia mundial; com a finalidade de "fortalecer as nações ricas e submeter os países pobres à dependência como consumidores" (p. 53). A globalização, permite que as reformas educacionais sejam realizados pelos países ricos, o que acaba aumentado a distância entre os países pobres e os países ricos, conseqüentemente aumenta também a dependência da massa menos favorecida. Esta dependência significa não só uma debilidade econômica como principalmente política. Neste contexto as políticas educacionais são projetadas e implantadas seguindo as exigências da produção e do mercado capitalista e, mais, o predomínio dos interesses da minoria fortalece o poder econômico dos países ricos.
            Essa forma de globalização significa a predominância da economia de mercando e, do livre mercado que provoca o desmonte social, a redução da ação dos governantes que são obrigados a aderir o neoliberalismo que os países ricos impõe, causando o aprofundamento da divisão internacional do trabalho e da concorrência que leva a crise de endividamento dos estados nacionais.
            De acordo com o texto, Educação, Globalização e Neoliberalismo há um paradoxo neste contexto, que é o avanço cientifico e tecnológico que proporciona progressivamente ao homem oportunidade de romper fronteiras, isto trouxe grandes benefícios, mas também muitas perdas ao homem que nunca produziu tanto e, ao mesmo tempo, “nunca houve tanta gente faminta, desempregada [...]”. As máquinas ocuparam o lugar do homem que perdeu sua centralidade no campo da produção.
            A globalização neste contexto é uma tendência internacional do capitalismo que, junto do projeto neoliberal, impõe aos países periféricos a economia de mercado global, que leva a competição ilimitada e a minimização do Estado na esfera econômica e social.
Em decorrência disso aparecem a exclusão social, o desemprego e o aumento da miséria. Nesse sentido a educação se tornou um bem de consumo e fonte de lucro; acessível à apenas uma pequena parcela da sociedade.
            Contudo, ainda existe a oportunidade de mudar a realidade, para começar é preciso não aceitar a imposição dos dominantes como se fosse predestinação, ou, consequência por ser pobre, a escoria da sociedade. A educação é a base para essa mudança acontecer, só é preciso resgatar a importância da escola, e reorganizar o trabalho educativo.

Keila Sandra Silva Filgueira
Universidade Federal de Goiás
Curso de História (Licenciatura)


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
SANTOS, Robison dos Y ANDRIOLI, Antônio Inácio – Educação, globalização e Neoliberalismo. São Paulo.
BANCO MUNDIAL Política Urbana y desarollo econômico: un programa para el decenio de 1990. Washington, 1991.
BECK, U. Was ist Globalisierung? Frankfurt am Main: Suhrkamp. 1997.
CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1995.
FREITAS, B. Política Educacional e Indústria Cultural. São Paulo: Cortez, 1987.
GORZ, Andre. Technische Intelligenz und kapitalistische Arbeitsteilung. In: VAHRENKAMP, Richard (Hrsg.). Technologie und kapital. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1973.
LEHRER, Roberto. Para fazer frente ao apartheid educacional imposto pelo Banco Mundial: notas para uma leitura da temática trabalho-educação. 22ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu – MG, 27/09/99.
MANCE, Euclides Andre. A Universidade em Questão: O conhecimento como mediação da cidadania e como instrumento do capital. In: Revista Filosofazer, n.14, p. 07-18, Passo Fundo: Beerthier, 1999/1.
_________: Quatro Teses sobre o Neoliberalismo. In: Revista Filosofazer, n.11, p.83-103, Passo Fundo: 1997/2.
MARCUSE, Herbert. Kultur und Gesellschaft 2. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1979.
MARX, Karl und ENGELS, Friedrich. Manifest der Kommunistischen Partei. Ausgewahlte Schriften in zwei Bãnde, Band I, Berlin: Dietz Verlag, 1979.
NASCIMENTO, Deise Nanci. Da educação e o Projeto Neoliberal: direção da justiça social ou do reinado ilimitado do capital? In: Revista Educação v.1, n.1, p. 61-79, Goiânia: UFG, 1997.
OLIVEIRA, J.F., Libâneo, J.C. A Educação Escolar: sociedade contemporânea. In: Revista Fragmentos de Cultura, v. 8, n.3, p. 597-612, Goiânia: IFITEG, 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário